sábado, 25 de setembro de 2010

Eu parei de morrer

Desculpem meus inexistentes leitores, meu lirismo se perdeu em algum meio fio em que me apoiei. Lá o deixei ao relento, até o próximo bêbado se escorar e encontrá-lo. Tomara que ele sinta saudade de mim.
Os cigarros perderam o gosto, a bebida desse muito fácil. Eu não sinto a dor da vodka. Meu estômago não esquenta mais.

Que maldição é essa chamada felicidade? E eu que achei que tinha o corpo fechado...

3 comentários:

Kty O. disse...

Não sou bêbada mas acho que achei.. kkk Minha vez agora

Mii disse...

*_*

Michelle disse...

Um brinde à 'util' procura da felicidade ;)

Postar um comentário